Imigrando com filhos adolescentes

Recentemente acompanhei uma discussão sobre como tratar de imigração quando você tem filhos adolescentes. Não foi o nosso caso, mas deve ser o de muita gente. Como eu gostei realmente da opinião de uma das pessoas, resolvi publicá-la aqui.

1. deixe bem claro pros seus filhos que esta e a nova realidade. nao deixe que eles se apeguem a uma esperanca/possibilidade de retomar a vida no brasil do mesmo ponto que eles deixaram. a vida segue e mesmo que que voltassem nunca poderiam continuar do mesmo ponto que deixaram. transmitam confianca no que diz respeito a este passo que vcs estao dando.

2. de apoio emocional. mostre empatia ao que eles estao sentindo: ‘sim, eu sei que vc gostaria de ficar no brasil”, “”sim, eu imagino que vc sinta-se frustrado por ter que deixar a vida que vc construiu aqui e recomecar”, “mudanca gera incertezas e insegurancas, eu entendo que vc nao queira dar este passo”, etc.
mostrem a eles que vcs tb tem medos e receios. que vcs tb sentirao saudades dos amigos, familias, do emprego, etc. quando eles perceberem que vcs estao no mesmo barco que eles, se aproximarao. evita-se assim o pensamento: “minha mae/pai nao me entendem. pra eles e facil, nao tem que abrir mao de tudo como eu”, etc. deixem eles perceber que vcs sao humanos tanto quanto eles, que tem medos e incertezas. facam-no de uma forma que ainda assim eles os vejam como fortes e vencedores, e o + importante: que vcs sigam sendo a coluna de sustentacao de seus filhos.

3. deixe bem claro que independente do que venha acontecer e das diferentes opinioes vc e sua esposa estao com eles pro que der e vier e que irao apoia-los no que for preciso.

4. certifique-se de que seus filhos se sentem a vontade pra conversar com vc e sua esposa sobre seus medos e tristezas. incentive-os a conversar com vcs e expor seus receios. eles precisam de uma valvula de escape.

5. estudem juntos sobre as inumeras possibilidades que esperam por eles no canada.
surfem na net sobre escolas diferentes, summer camping, atividades de inverno, cursos extra-curriculares (musica, esporte, linguas, danca etc.), lugares que gostariam de passear juntos, etc. se eles estao deixando algo que fazem no brasil e gostam muito, comecem a procurar juntos uma alternativa. a intencao e deixa-los empolgados com as novidades que virao. fazer com que vejam o lado positivo da coisa.
o novo/desconhecido muitas vezes e visto como ameacador. o remedio e diminuir o desconhecido.

6. repitam sempre que o objetivo da mudanca e de dar a familia uma melhor perspectiva de vida, que todos vcs – sem excecao – estao investindo no futuro familiar e individual de cada um. eles podem fazer pouco caso disso hoje, dizer nao acreditar, mas funciona. e como osmose. e como diz o ditado: agua mole em pedra dura tanto bate ate que fura. entao podem comecar cantarolar nos ouvidos deles! rsrsrs

7. talvez eles parecam ja grandinhos, mas na verdade ainda sao criancas em seus coracoes. e como toda crianca eles precisam saber acima de qq coisa que vc e sua esposa os amam muito. que enfretarao esta mudanca juntos. “um por todos e todos por um”.

8. depois que ja chegarem ao canada dividam com seus filhos suas dificuldades. quando vcs coemcarem a contar suas experiencias eles se sentirao mais a vontade pra contar as deles. e ainda se sentirao aliviados de ver que e normal ter dificuldades, e nao sentirao que estao decepcionando vcs ou nao respondendo a expectativa de que eles se adaptem facilmente.

2 thoughts on “Imigrando com filhos adolescentes

  1. Olá, cheguei aqui passando de blog em blog.
    Gostei muito deste post pq me idetifiquei, tenho uma filha de 12 anos, e é sempre uma preocupação pra mim saber se está tudo bem com ela, o que ela está sentindo, o que espera no Québec, etc.
    Procuro conversar sempre com ela, e sei que mesmo ela estando louca para viajar, ela deve estar tb sentindo um medo danado!
    Gostei das dicas que vc colocou aí. Obrigada por compartilhar!
    Abraços,
    Bea

  2. VERA PERSSON says:

    Olá!
    Gostei muito do post!
    Tenho um filho de 17 (único), que está se sentindo órfão dos amigos deixados no Brasil. Ele já tem internalizado que fara a universidade aqui e ate la muita água vai correr por baixo da ponte. Mas sempre que pode fala em voltar. Mas procuramos nao dar enfase a isso pois estamos aqui apenas a 4 meses e deixamos claro que o aprendizado e a experiencia internacional que procuramos é para o desenvolvimento de todos!
    Abraço,
    Vera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *