“Domingo eu quero ver o domingo passar”

13.05.2007

Bom, combinei com o Espiga de irmos no Metropolitan Museum domingo, bem cedo. Acabamos não saindo tão cedo assim mas deu pra chegar lá a tempo. O dito fica ao lado do Central Park, exatamente no lado oposto ao Museu de História Natural. É tão grande quanto o primeiro mas tem um fim diferente: arte. Nem por isso acabamos por ver coisas fantásticas como por exemplo, coleções de arte egípcia, grega, romana, africana, japonese, artigos da europa medieval e, o que estava em destaque, a esposição de Van Gogh.

Pessoalmente eu entendo tanto de arte quanto de física quântica. Na verdade eu entendo muito mais de física quântica. Só sei que arte tem a ver com uns caras que retratam as coisas de maneira muito bacana, de acordo com suas próprias neuroses. Os gregos são um ótimo exemplo disso. Por alguma razão obscura da cultura Helenística, os caras adoravam retratar homens nus e pior ainda, detalhar o que tem no cara nú. PQP… É muito viado num lugar só. Por outro lado, os egípcios foram uns caras muito fodões. As cores que eles extraiam nas pinturas, os detalhes das esculturas e nas construções, era impressionante. Claro que tudo isso era feito com muito trabalho escravo, mas nada muito diferente de como tratamos os chineses ou os indianos hoje em dia. (só espero que ninguém esqueça o que acontece no passado com esse bando de gente explorada).

Metropolitan Museum 01Metropolitan Museum 02

Enfim, foi um dia bem comprido. Conheci um casal de amigos do Espiga, Antônia e Isabela. Ah sim, e a filhinha deles, Stela. Pessoal muito gente boa que mora por aqui já faz quase 3 anos. Ele entende muito de Java e Grid Computing e trabalha pra uma empresa de consultoria por aqui. Ambos já possuem o Green Card e vivem em Astoria. Como eu disse antes, pessoal muito legal. Devia ter tirado fotos deles…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *